Tribunal entende que importação de sementes de maconha não é tráfico

As sementes foram encontradas em encomenda proveniente da Grã-Bretanha

seedAo passar por inspeção da alfandega brasileira, foram identificadas quatro sementes de maconha, juntamente com miçangas coloridas, dentro de uma encomenda proveniente do exterior. O Ministério Público Federal denunciou o destinatário da encomenda por tráfico internacional de drogas, nos termos da Lei 11.343/2006.

A Justiça Federal de Primeira Instância rejeitou a denúncia sob o argumento de que sementes não constitui matéria-prima destinada à preparação da droga, nos termos do artigo 33, §1º, I da lei de drogas.

Inconformado com a decisão, o Ministério Público Federal recorreu ao TRF, mantendo a argumentação que, embora não exista o tetrahirocanabinol (THC) em sementes, tal fato não afastaria o crime, pois, a lei também pune a importação de produtos destinados à preparação do entorpecente.

A Decisão

A Desembargadora Federal relatora, Mônica Sifuentes (TRF1), ao analisar o caso, entendeu que “não é a semente, mas a planta produzida a partir dela que constitui matéria-prima para a preparação de droga. Na verdade, apenas quando a semente é semeada ou cultivada dá-se origem à planta que se constitui em matéria-prima para a preparação da droga denominada maconha”.

Prossegui aduzindo que, “ainda que se equiparasse a preparação de drogas à sua produção, a quantidade da semente apreendida (4 unidades) demonstra que a intenção do agente era o plantio para consumo pessoal e não para o tráfico”.

Ainda, reconheceu o Princípio da Insignificância, que, embora ilícito sob o prisma da lei, “não causam lesão ao bem jurídico protegido pela norma penal”.

A decisão foi unânime e traz relevante precedente.

Processo nº 0008404-33.2014.4.01.3800/MG

 

PENAL. PROCESSUAL PENAL. TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS. DENÚNCIA. SEMENTES. CANNABIS SATIVA LINNEU (MACONHA). PERÍCIA. THC. CONTRABANDO. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA APLICÁVEL. RECURSO NÃO PROVIDO.
1. A importação e posse da semente de maconha consistem em ato meramente preparatório, não podendo ser considerado fato típico caracterizador do crime do art.33da Lei 11.343/2006, pois a semente em si não apresenta o princípio ativo tetrahidrocanabinol (THC) em sua composição e não tem qualidades químicas que, mediante adição, mistura, preparação ou transformação química, possam resultar em drogas ilícitas.
2. Ainda que se equiparasse a preparação de drogas à sua produção, a quantidade da semente apreendida (04 unidades) demonstra que a intenção do agente era o plantio para consumo pessoal e não para o tráfico.
3. Não configuração do tipo penal previsto no art.28,§ 1º, da Lei 11.343/2006, na forma tentada (art. 14, II, doCP). As penas do art. 28 da Lei 11.343/2006, na prática, não comportam combinação com o art. 14, parágrafo único, do Código Penal.
4. A importação de sementes não inscritas no Registro Nacional de Cultivares (RNC), como no caso em tela, configura, em tese, o crime de contrabando, que tipifica a importação e a exportação de mercadorias proibidas.
5. Contudo, diante das peculiaridades do caso concreto, importação de 04 (quatro) sementes de maconha e inexpressiva violação aos bens jurídicos tutelados pela proibição da importação das referidas sementes (saúde e incolumidade pública), não há como afastar a incidência do princípio da insignificância, sob pena de punir condutas que, não obstante formalmente típicas, não causam lesão ao bem jurídico protegido pela norma penal.
6. Recurso não provido.

Fale conosco

Equipe - Coletto Soc. de Advogado
Equipe - Coletto Soc. de Advogado
Respeito, prontidão, criatividade, seriedade, senioridade. Estes são os princípios que norteiam nosso relacionamento com clientes, fornecedores e parceiros. Entre em contato: imprensa@coletto.adv.br
Notícias Recomendadas
Fale conosco